sábado, 29 de outubro de 2016

Verdade Cruel

A Sábia Luz da Felicidade, será?

Quando cheguei neste mundo, o Brasil estava em plena Revolução Civil, as pessoas morriam como por brincadeira.

Matar era liberado, somente quem falava mal do Governo tinha passe para morrer, os militares faziam a festa e os civis embarcavam na mesma trajetória.



Mas não é disso que quero falar.

Quando nasci, meus Pais moravam num lugar pra lá de humildes, sobrevivendo como podiam, já tinha duas irmãs, eu fui o primeiro do casal, pois as minhas irmãs eram por parte de Mãe, maternas.

Na verdade, embora ame muito todos os irmãos, essas duas irmãs, mais velhas, são as que mais identifico, pois convivi toda infância e dificuldade ao lado delas, com oito anos de idade, chegou o quarto irmão e por aí se vai, até que completamos sete irmãos.

Em relação à criação, educação e essas coisas, acho que pela falta de estudos, pela própria ignorância espiritual, acredito muito que meus Pais não deram nenhuma base pra nada a todos os irmãos.



Embora minha Mãe fosse muito mais afetiva que meu Pai, ela não conversava, não instruía e nem "palpitava" sobre as coisas da vida, da terra e do ar...

A educação que os dois tiveram foram quase zero.

Meu Pai era daquela época que homem não chora, homem não pode ter amiga mulher, mulher para o homem só pra sexo e nada mais...

Minha Mãe era assim, do tipo a Mãe coruja, alimente seus filhos e veja-os crescer...

Deu pra perceber o ambiente em que fomos criados, sem diálogo por um lado e com muito carinho e afeto por outro, nada mais que isso.

Tivemos que nos virar sós, mesmo com uma multidão ao nosso redor, mas eu, em especial, tinha poucos amigos, quase nenhum, pois, devido à uma deficiência chamada Lábio Leporino e outra nos pés, tive dificuldade de adaptação, digo isso até os dias atuais.



Os pés foram "tratados" desde os meus dois anos, em que fizeram uma brilhante cirurgia, muito gesso, mobilização das pernas e dos pés, comecei a andar com 5 anos de idade, comecei...

Andar mesmo, pra valer, com uns seis anos.

Eu me lembro disso, mesmo hoje, sou de 1964.

Agora, lábio leporino, que dificuldade, apesar das tantas cirurgias, tantos esforços, nada de tão significante aconteceu, enquanto achava que os médicos faziam cirurgias para que minha voz fosse perfeita ou próxima disso, eles estavam tentando me tornar o mais "normal" possível, isto é, queriam me fazer bonito o bastante para ser aceito no meio social, mas e a voz?

Minha voz é como a voz do "Pato Donald", esquisita e fanhosa, além do mais, com 22 anos encerrei o tratamento, pois não aguentava mais tantas cirurgias, encerrei em Bauru-SP, quando, um dia antes da minha "Faringoplastia", perguntei ao cirurgião da época:

- Doutor, com tantas cirurgias que querem fazer, qual o resultado final, eu vou falar normal?

E o médico disse que nunca iria falar normal, então eu disse que gostaria de encerrar o tratamento naquele instante, e queria voltar pra casa já.



Como eram quase dez da noite, não havia como pegar o ônibus, pois o último horário era às 23:00 horas, pediram para que eu fosse pela manhã, foi o que fiz.

Naquele tempo, pegava um ônibus pra Ribeirão Preto-SP e outro pra Brasília-DF.

Nasci e moro na cidade satélite do Gama-DF até hoje.

Eu, todavia, fui só, mesmo morando com muitas pessoas na casa, dificuldade de socialização, mesmo não deixando de conversar com as pessoas.

Não namorei até o ano de 2011, quando conheci a minha EX, pela internet, foi um relacionamento curto, desde que a conheci até o desligamento em 20 de dezembro de 2013.

Antes disso, só arrumava aquelas aventuras, do tipo "passa aqui", eu passava, ficava por alguns minutos ou horas, dependendo do que rendia, eram mulheres que só queriam "tirar o atraso" e depois eu ia embora, nada além disso.



Nunca havia andado de mão dadas com nenhuma "gata", nem tampouco um namoro.

Esses anos, que foram poucos, que eu vivi com minha ex, foi como um sonho, mas esse sonho se transformou em pesadelo, quando ela me dispensou, era no estado de São Paulo, onde vivi pouco tempo com ela, quando voltei para casa, comecei a regredir, sem emprego e sem nada pra fazer, comecei a reinventar minha vida, criei personagens e comecei a falar sozinho, "novamente", pois quando minha Mãe morreu eu morri pela metade, ou mais que isso, quando meu Pai morreu, dois anos e sete meses depois, o resto desmoronou, fiquei sozinho na casa, meus irmãos haviam "caído fora".

O inferno e o céu estão aqui, nada de Deus e nada de nada, morreu, Fedeu, nada mais além disso.

Com o surgimento da Ex, eu curti cada minuto, pois desconfiava que aquilo tudo não seria para sempre.

Hoje estou comigo e mais nada, nada de Mentor Espiritual, nada de Anjo da Guarda e nada de nada.

Na vida, basta estar respirando, só isso.



Sou Técnico em Eletrônica desde que nasci, pois sempre gostei de eletrônica, a Informática veio depois, pois sem eletrônica, nada de computadores, só o Ábaco existia sem eletrônica, mesmo assim, poucos sabem usar.

Na vida, temos que lutar e sem luta nada adianta.

Já fui pesquisador de fenômenos paranormais, ufologia e afins.

Nunca obtive êxito.

Me dedicava cem por cento de minha vida nisso tudo e até defendia em todos os lugares.

Resultado:

- Descobri que Deus foi criado pelo homem porque amenizava o medo de que quando morre, tudo acaba mesmo, nada vai, fica tudo no túmulo e apodrece, isso se não for cremado.



As idas ao cemitério, a ida às igrejas, templos e tudo o mais, isso é para imaginarmos que não morremos aqui, mas morremos sim, acaba mesmo.

Às vezes quando passamos perto da morte e por "milagre" escapamos, damos o crédito a Deus, isso nos conforta, pois temos que nos agarrar a algo, senão enlouquecemos.

Mas tudo acontece aqui na terra, tudo mesmo, nada vai, só fica.

Os extraterrestres é outra válvula de escape.

As pessoas criaram essa ficção para poder se sentirem melhor por não estarem sozinhos neste vasto universo.

Os Aliens nos confortam, mas nada disso existe ou existiu.

Somos felizes ou tristes, somos o que somos, mas somos aqui, fora daqui não há mais nada.

Acreditar é sonhar, podem sonhar, mas só isso acontecerá.

Somos mentes criadoras.

Pesquisei a fundo tudo isso e sei o que digo, dediquei toda minha vida e consegui os resultados.

o planeta se afoga em lágrimas, a desestabilização social começou de verdade, vamos nos auto-devorar.

Não há nada que possa nos salvar, a não ser nós mesmos.

Lutem pela vida de vocês, ajudando seu próximo, pois o seu próximo pode ajudar a outros e talvez a você.

Não se iludir com "propagandas enganosas", essa é a questão.

Não se apegue ao que nunca viu, não se iluda com o que nunca vai ver.

Olhe para você e veja que você é você e nada mais que isso.

Não se rebaixe a quem tem mais e nunca se entregue a quem está no poder, a dignidade é sinônimo de luta e liberdade.

Se você não tem nada a oferecer, nem carro, nem casa e nem nada, isso não significa que seja um lixo, você tem sua mente e seus sonhos, faça valer seus dias aqui na terra, faça algo para você e para seus semelhantes.

Não peça nada para o invisível, pois isso não existe, faça algo material, você é matéria, você é você e nunca peça, faça!!!

As dificuldades existem?

Claro que sim, quem disse que não existiriam.

Uns conseguem tudo muito fácil e outros lutam a vida inteira para conseguir e nem conseguem.

Mas a luta, seriedade, dignidade fazem a diferença.

Eu tenho meus ideais, quase que impossíveis, mas não desisto, pois isso é o que nos mantém vivos, uma luta, um ideal, uma conquista, uma derrota para que na frente hajam várias vitórias.

As derrotas não existem, existem perdas, mas as perdas podem ser reavidas, tudo acontece quando se obtém a perseverança com dignidade e honestidade.

Com honestidade tudo é lento, com desonestidade tudo vem rápido demais.

Bem vindo à vida, se deleite.

Seja bem vindo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.