terça-feira, 8 de novembro de 2016

Quando eu voltar

Quando voltar o ar, a terra e a luz estarão aqui?

Será que as coisas ficam para sempre e as pessoas vão e voltam?

Não tenho nada a dizer sobre isso e aquilo, tenho muito a recordar.

Pessoas más sempre existiram, pessoas de boa fé sempre evoluíram.

Quantos assassinatos, homicídios sem nexo, sem Paz e muita tortura.

Nossos corações ficam à flor da pele, com medo de tudo, medo de ter medo, de ser vivo, de andar e correr, brincar e amar...

Minha vida não é igual à sua, mas nem por isso sejamos diferentes.

Escrevo em linhas curtas, você nem deve escrever, a desigualdade aproxima o oposto.



Mas o mal deve sempre ficar bem longe, o bem deve sempre permanecer perto, junto a nós.

As coisas da vida, da terra e doar, o fogo que assa, o sol que queima, a chuva, quando tem, molha, as estações do ano sumiram.

As rotações e translações, de onde vieram tantas coisas, roda e volta, volta a rodar, e nem saímos do lugar.

As emoções nos advertem, o perigo é iminente, as torturas ocorrem e tudo parece um caos.



Os velhos vão, os jovens ficam, completam seu ciclo para que outros jovens tomem seus lugares, uns passam conhecimento e outros, muita maldade.

O bem e o amor estão sempre postos em questão, quando entra a ganância, corrupção aliados ao Poder Aquisitivo.

Dinheiro é tudo, quero mais e mais, e onde fica o calor humano? 

A saudade dos dias de glória, tudo isso o dinheiro nunca paga, o dinheiro não paga uma verdadeira amizade, nem tampouco o verdadeiro amor...

Quando for embora, vou para voltar, mas voltarei como ser humano dígno?

Será que volto?

Mas enquanto isso, vou seguindo no trem da fé e na estação da esperança.



Minha condução é a Luz, e na Luz deverei estar bem.

A Partida nunca é legal, mas a chegada sempre é esperada.

Quem fica lamenta quem vai e quem vai lamenta quem fica.

Num amontoado de promessas em vão, dores da alma, aflição, melancolia, as pessoas ficam e me veem partir.

Quando for embora, deixarei tudo que tenho aqui, muitos e muitos brigarão pelo pouco que tenho.

Tenho pouco mesmo, mas há sempre alguém que valoriza o que temos.

Mas, do jeito que vim, estou indo, sem nada.

Mas, será que tem algo além do horizonte?

Será que as coisas não serão como penso?

E se voltar, voltarei ao meu País ou em outro planeta?

Tem isso também, nem sempre voltamos ao lugar que nascemos quando partimos.

Espiritualistas não faltam e a Espiritualidade diz tanta coisa.

Mas as teorias são reais?

Para mim, quando partimos, seremos adubo para a terra, só isso...



Mas, para muitos isso não é o que acontece.

Há tantas respostas e poucas perguntas, tanto a ouvir e pouco a falar...

Eu vou embarcar, mas não sei se vou voltar.

O tempo marca o meu dia e o seu.

Assim como nascemos devemos sumir da face da terra.

Já que nasce tem que ter um lugar no céu.

Tem tantos "Sãos" por aí, são Pedro, São João, São daqui e São dali...

Isso resolve alguma coisa?

Será?!

Segundo Jesus, temos todos um lugar quando embarcamos no "trem da alegria"...

Jesus assim disse:

- A água corre em um sentido, mas o ar vem e vai de todas as direções, embora em alguns instantes o vento sopre somente numa direção, isso é muito rápido, pois o vento "escoa" dentre tantos "vácuos" em nosso tempo.

- Não pense que todos daqui deverão ser todos de lá.

- Assim como as águas dos rios e os ventos que sopram, nós também temos um ciclo, uma etapa e uma determinação que só saberemos qual, no dia certo e hora certa.

- Não atropele seu tempo, pois o tempo é como os rios e os ventos, eles nunca ultrapassam seus limites.

O Pai, Criador remete à nós o que merecemos, se somos bons, teremos coisas boas, se somos maus, teremos coisas más.

Não adianta chorar, a vida saúda e agradece os momentos aqui vividos.

Quando eu voltar, você vai estar aqui?!!

Paz Irreverencial a Todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.